Artigos originais

Avaliação estética de seis tipos de coroas para dentes decíduos

Héctor Alejandro Ramírez Peña1, Eyra Elvyra Rangel Padilla1, Héctor R. Martínez-Menchaca2, Gerardo Rivera Silva3, Gabriela Arredondo Campo4, Natalia Barba Borrego4, Gustavo Israel Martínez1, Roberto Valencia Hitte5

Resumo

Objectivo: Avaliar as preferências estéticas sobre cor e forma das coroas primários utilizados para a incisivos superiores primários, através da realização de uma pesquisa com membros da Academia Mexicana de Odontopediatria (Amop). Material e Métodos: Seis grupos de estudo com seis coroas diferentes foram estabelecidas: Grupo 1, coroas de zircônia EZ-Pedo; Grupo 2, coroas de zircônia NuSmile Zr; Grupo 3, coroas estéticas feitas no escritório; Grupo 4 casos coroas celulóide; Grupo 5, coroas estéticas prefabricados assinatura NuSmile; e Grupo 6, fenestrado coroas estéticas. Eles realizaram pesquisas, a fim de satisfazer as preferências estéticas destas coroas estéticas diferentes, a fim de saber qual é a melhor escolha para uso no consultório odontológico. Resultados: Noventa membros AMOP fez um levantamento válido, e determinou-se que o Grupo 4 foi o melhor avaliado, seguido pelos grupos foram identificados 2, 5, 1, 6 e 3. As diferenças significativas entre os grupos. Conclusões. As coroas de tampas de celulóide foram selecionados como o melhor uso alternativo nos dentes primários acima, por membros da Amop; Também as coroas de zircônia foi considerado como uma boa opção terapêutica. Recomenda-se que o tratamento cosmético é implementado em dentes primários, para um tratamento abrangente.

Palavras chave: Decíduos, Zircônio, facetas dentarias, Odontopediatra.


Artículo Original

Evaluación estética de seis tipos de coronas para dientes primarios

Resumen

Objetivo: Evaluar las preferencias estéticas en relación con el color y la forma de coronas primarias utilizadas para dientes incisivos superiores primarios, mediante la realización de una encuesta a miembros de la Academia Mexicana de Odontología Pediatrica (AMOP). Material y Métodos: Se establecieron seis grupos de estudio con seis coronas diferentes: grupo 1, coronas de zirconia EZ-Pedo; grupo 2, coronas de zirconia NuSmile Zr; grupo 3, coronas estéticas hechas en el consultorio; grupo 4, coronas de fundas de celuloide; grupo 5, coronas estéticas prefabricadas NuSmile signature; y grupo 6, coronas estéticas fenestradas. Se llevaron a cabo encuestas con la finalidad de conocer las preferencias estéticas de estas diferentes coronas, con la finalidad de conocer cuál es la mejor opción para su uso en el consultorio dental. Resultados: Noventa miembros de la AMOP realizaron una encuesta válida, y se determinó que el grupo 4 fue el mejor evaluado, seguido de los grupos 2, 5, 1, 6 y 3. Se identificaron diferencias significativas entre los diferentes grupos. Conclusiones: Las coronas de fundas de celuloide fueron seleccionadas como mejor alternativa de uso en los dientes primarios anteriores, por parte de los miembros de la AMOP; asimismo, se consideró a las coronas de zirconia como una buena opción terapéutica. Es recomendable que se implemente el tratamiento estético en dientes primarios, para realizar un tratamiento integral.

Palabras clave: Deciduos, Zirconio, coronas con frente estético, odontología pediátrica


Review Article

Aesthetic evaluation of six types of crowns for primary teeth

Abstract

Objective: Evaluate the aesthetic preferences regarding color and shape of primary crowns used for primary upper incisors, by conducting a survey of members of the Mexican Academy of Pediatric Dentistry (AMOP). Material and Methods: Six study groups with six different crowns were established: Group 1, zirconia crowns EZ-PEDO; Group 2, zirconia crowns NuSmile Zr; Group 3 aesthetic crowns made in the office; Group 4 cases strip crowns; Group 5, aesthetic crowns prefabricated NuSmile signature; and Group 6, fenestrated esthetic crowns. They conducted surveys in order to meet the esthetic preferences of six different aesthetic crowns, in order to know the best choice for use in the dental office. Results: Ninety AMOP members made a valid survey, and it was determined that Group 4 was the best evaluated, followed by the groups 2, 5, 1, 6 and 3. Significant differences between groups were identified. Conclusions: Members of the AMOP selected strip crowns as the best alternative use in the above primary teeth; furthermore zirconium crowns were considered as a good alternative. It is recommended that the cosmetic treatment should be implemented in primary teeth, for a comprehensive treatment.

Key words: Primary teeth, zirconia, veneers esthetic crowns, pediatric dentistry.


  1. Profesor en Odontología Pediatrica en la Universidad Autónoma de Nuevo León UANL, Monterrey, NL, MEX.
  2. Vice-Chair of Department of Orthodontics, Pediatric Dentistry and Special Care at University of Louisville School of Dentistry, Louisville, KY, USA.
  3. Laboratorio de Ingeniería Tisular y Medicina Regenerativa, Departamento de Ciencias Básicas, Universidad de Monterrey. NL, MEX.
  4. Residente de la Maestría en Ciencias en el área de Odontopediatria en la Univer-sidad Autónoma de Nuevo León UANL, Monterrey, NL, MEX.
  5. Profesor en Odontología Pediatrica en la Universidad Tecnológica de México UNITEC, Ciudad de México, MEX.

Introdução

A restauração dos dentes incisivos superiores, que podem se apresentar severamente danificados durante a etapa da dentição decídua, é um desafio clínico e estético. As lesões de cárie nos dentes anteriores resolviam-se, até há alguns anos, com extrações o também com cobrimentos por meio do uso de coroas de aço-cromo.1 Atualmente, a cárie dentária em crianças é um problema de saúde pública sério, já que, nos dados da Academia Americana de Odontopediatria (AAPD por suas siglas em inglês), faz-se menção da perda de um ou mais dentes cariados ou obturados antes dos setenta e um meses de idade.2 Os motivos mais frequentes da perda dentária na infância são a cárie de acometimento precoce e o traumatismo dentário. Durante a última década, tem se adotado uma perspectiva estética por parte dos pais de família em relação com a dentição primária de seus filhos, condicionando a busca e geração de novas alternativas de manejo.3

As restaurações na dentição decídua devem restabelecer a funcionalidade, ser duradouras e manter uma estética adequada; por este motivo, nas situações onde não for possível obter aquelas características em um cem por cento, faz-se imperativo procurar as melhores opções disponíveis. Na odontopediatria contemporânea se conta com diferentes alternativas estéticas, que vão desde restaurações intradentárias (resinas compostas, ionômeros de vidro, compômeros), até restaurações extradentárias (coroas de aço, coroas de celuloide, coronas fenestradas, coronas metálicas com frente estético realizadas na consulta ou as pré-fabricadas).4-5 As coroas disponíveis para a restauração de incisivos decíduos incluem aquelas nas que o material se adere diretamente ao dente (strip crowns), que geralmente é resina composta, e aquelas que são cimentadas sobre o dente (coronas de aço cromo).6

Várias alternativas terapêuticas têm sido utilizadas para restaurar a zona anterosuperior dos dentes decíduos com a finalidade de dar una aparência estética, e ter uma opção diferente à coroa metálica. Uma das primeiras propostas diferentes do uso de coroas metálicas foi a de Kopel (1967) com as coroas fenestradas (facial cut-out SSC), que consistiam em uma fenestração da cara vestibular da coroa para ser preenchida com resina composta.7 Por outra parte, as coroas de celuloide (strip crown, pedoform) que foram introduzidas nos setenta, contêm a maneira de fundas de celuloide à resina composta que será aderidas posteriormente ao dente preparado.8 As coroas pré-fabricadas com frente estético (resin-veneered SSC), introduzidas nos noventa, são coroas pré-fabricadas com materiais como resinas compostas ou bem termoplásticas e estão aderidas à coras de aço-cromo (NuSmile crowns, Kinder-Crowns, Cheng-Crowns, Dura Crowns, Whiter Biter II).9-11 As coroas metálicas com frente estético fabricadas, previamente no consultório (chair side), assim como as coroas de policarbonato (Artglass), têm surgido no seu momento como alternativas terapêuticas por serem excelentes materiais para o recobrimento de dentes decíduos. Porém, algumas têm fracassado em termos de durabilidade, fraturas, desalojo, cor, etc., e a busca daquelas que proporcionem o melhor resultado, ainda continua.

As noivas coroas, elaboradas de zircônia monolítica, introduzidas no mercado no fim da década passada, oferecem uma alternativa estética adequada e apresentam, como principais vantagens, a cor e a durabilidade. Entretanto, os reportes de seu uso em dentes decíduos estão limitados somente a reportes de casos isolados. São, portanto, consideradas como a melhor alternativa estética, embora tenham indicações precisas.12,13

O objetivo do estudo é conhecer as preferências estéticas de membros da AMOP, em relação com a forma e a cor das coroas estéticas para dentes incisivos anteriores superiores decíoduos.

Materiais e Métodos

Foram mostrados seis modelos de estudo de dentição decídua utilizando um modelo de gengiva mole (Nissin®) nos quais foram realizados 6 tipos diferentes de restaurações estéticas nos quatro dentes anteriores superiores, em cada um dos manequins(Figura 1). Assim, estabeleceram-se seis grupos de estudo: grupo 1 (ZEP) onde se usaram coroas de zircônia monolítica (EZ PEDO®, Loomis, Calif. USA); grupo 2 (ZNS), coroas de zircônia monolítica (NuSmile ZR®, Pediatric Crowns, Houston Tex. USA); grupo 3 (MEHC), coroas de aço-cromo (3M®, St Paul Minn), elaboradas no laboratório da clínica dental com frente de resina composta na cara vestibular; por meio da técnica de jato de areia na superfície vestibular, com aplicação do acondicionamento do metal, utilização de adesivo universal 3M®, e posteriormente colocação do opacador do metal (agente mascaramento) e resina, foto polimerização. Depois é levada a um forno de luz e calor para obter uma polimerização lenta. Grupo 4 (CSC), coroas de funda de celuloide (Pedoform Strip crowns forms, 3M® St Paul Minn) cimentadas com resina Z350® sombra A1; grupo 5 (MEP), coroas de metal com frente estético pré-fabricadas (NuSmile Signature®, Pediatric Crowns, Houston Tex. USA); e o grupo 6 (MEF), coroas de aço-cromo fenestradas (3M®, St Paul Minn), onde uma janela na cara vestibular das coroas é aberta, aplica-se o opacador y obtura-se com resina composta Z-350 3M® Sombra A1.

Figura 1. Imagens fotográficas das coroas utilizadas nos quatro incisivos superiores nos diferentes modelos. G1. Grupo 1, coroas de zircônia monolítica EZ Pedo®.  G2. Grupo 2, coroas de zircônia monolítica NuSmile Zr®. G3. Grupo 3, coroas de aço-cromo estéticas elaboradas no consultório. G4. Grupo 4, coroas de funda de celuloide 3M®.  G5. Grupo 5, coroas de metal com frente estética pré-fabricadas Nusmile Signature®. G6. Grupo 6, coroas de aço-cromo fenestradas.
Figura 1. Imagens fotográficas das coroas utilizadas nos quatro incisivos superiores nos diferentes modelos. G1. Grupo 1, coroas de zircônia monolítica EZ Pedo®. G2. Grupo 2, coroas de zircônia monolítica NuSmile Zr®. G3. Grupo 3, coroas de aço-cromo estéticas elaboradas no consultório. G4. Grupo 4, coroas de funda de celuloide 3M®. G5. Grupo 5, coroas de metal com frente estética pré-fabricadas Nusmile Signature®. G6. Grupo 6, coroas de aço-cromo fenestradas.

Depois, um questionário direto foi aplicado a membros que participaram do curso Intermédio da Academia Mexicana de Odontologia Pediátrica (AMOP), utilizando um aplicativo LOOP SURVEY® (figura 2), e que consentiram compartilhar sua experiência e avaliar os seis grupos estabelecidos. Nas primeiras seis questões, um intervalo entre 0 e 10 pontos foi estabelecido para a avaliação. A única condição para a avaliação foi a de não observar as coroas pela superfície palatina para que no identificassem a marca da corona utilizada. Os participantes que observaram a superfície palatina, foram excluídos do estudo. A coleta da informação foi realizada pelo participante em um tablete (Ipad 2®, Apple Inc, Cupert Calif. USA), que permitiu uma aplicação mais rápida e mais confidencial.

Figura 2. Imagens do questionário realizado pelo aplicativo Loop Survey.
Figura 2. Imagens do questionário realizado pelo aplicativo Loop Survey.
Figura 2. Imagens do questionário realizado pelo aplicativo Loop Survey.

Resultados

O questionário foi aplicado a 170 membros da AMOP, dos quais foram excluídos 80 pois não cumpriram com os critérios de inclusão. Dos 90 membros que realizaram a avaliação com sucesso; 39% exercia uma atividade acadêmica e particular (n=35), o 25% unicamente uma atividade particular (n=23) e, finalmente, o 36% foi composto de estudantes de pós-graduação (especialização) (n=32).

Na tabela 1 se mostra que o grupo de coroas de fundas de celuloide pertencentes ao grupo 4 (CSC: Coroas Strip Crowns), obteve a melhor avaliação com respeito aos outros cinco grupos (8.8). O grupo 2, com coronas de zircônia NuSmile ZR (ZNS) foi o segundo melhor avaliado; enquanto que o terceiro grupo, melhor avaliado, foi o grupo 5 (MEP: Metálicas estéticas pré-fabricadas). O quarto foi o grupo 1, coroas de zircônia EZ-Pedo (ZEP); o quinto, as coroas metálicas fenestradas (MEF) grupo 6 e, finalmente, as coroas metálicas com frente estética elaboradas no consultório, do grupo 3 (MEHC) foram as piores avaliadas (Tabela 2).

Tabela 1. Estatística descritiva da avaliação estética (cor e forma) por modelo de estudo.
Tabela 1. Estatística descritiva da avaliação estética (cor e forma) por modelo de estudo.
Tabela 2. Alternativa estética mais útil no seu consultório de acordo com praticidade e custo segundo o tipo de atividade.
Tabela 2. Alternativa estética mais útil no seu consultório de acordo com praticidade e custo segundo o tipo de atividade.
X2=14.08. p=0.0796

Os diferentes grupos mostraram diferenças significativas (p>0.05) entre eles, na seleção das coroas estéticas mais adequadas (Tabela 3); da mesma maneira, na tabela 4 se mostra que o grupo 4 (NSC) foi diferente dos outros 5 grupos restantes (p>0.05). Os grupos 1 e 2 não mostraram diferenças significativas (p=.298 e p=0.40, respectivamente), comparados com o grupo 5 (MES); enquanto que o grupo 3 (MEHC) não mostrou diferenças significativas (P=.555) com o 6 (MEF).

Tabela 3. Análise de variança das avaliações segundo o modelo escolhido de acordo com praticidade e custo.
Tabela 3. Análise de variança das avaliações segundo o modelo escolhido de acordo com praticidade e custo.

Discussão

O uso de novas tecnologias para aplicar questionários diretos de opinião substituindo o papel e lápis é uma realidade que pode mudar a forma de coinduzir este tipo de pesquisas. Neste estudo, avaliou-se a utilização de tabletes para que o tempo de preenchimento do questionário fosse sensivelmente mais rápido e assim, não gerasse perda de tempo ao entrevistado desde que a pesquisa foi conduzida em um clico de conferências y os participantes, muitas vezes, não querem responder pelo tempo que implica se sentar e escrever. Assim, o Ipad 2 foi utilizado nesse estudo e o tempo foi reduzido devido à facilidade de aplicar com tudo pré-estabelecido.

Dos seis tipos de coroas que foram avaliadas nesta pesquisa, o grupo 4, de coroas de fundas de celuloide (Strip Crown 3M®), foi o melhor avaliado pelois membros da AMOP. Esta situação concorda com outros estudos prévios que obtiveram resultados similares, onde esse tipo de coroas foram as de primeira escolha terapêutica para restaurações completas de incisivos afetados por cárie ou trauma14. Embora não tenha sido motivo de avaliação, os participantes mencionaram que o problema com o uso de coroas de fundas de celuloide, é a sensibilidade da técnica de colocação, ou seja, deve se controlar a hemorragia e saliva (umidade) para evitar fracassos na adesão.15 Houve diferenças significativas com os cinco grupos restantes, sobretudo com relação ao baixo custo, mas sem levar em consideração a dificuldade na colocação (Tabela 4).

Tabela 4. Comparações múltiplas das avaliações mediante a prova HSD de Tukey.
Tabela 4. Comparações múltiplas das avaliações mediante a prova HSD de Tukey.

As coronas de zircônia NuSmile ZR®, (ZNS: grupo 2), foram as segundas melhor avaliadas, observando que a cor era o mais significativo a se obter; porém, estudos de coroas de zircônia em dentes permanentes, mostram uma cor mais estável, além de uma estética superior devido à baixa porosidade.16,17 Com relação aos dentes decíduos, existem poucos estudos sobre a cor da zircônia, entretanto, e ainda que variem de acordo com os tons, não se mostram mudanças sempre que a zircônia não seja contaminada. A recomendação do fabricante NuSmile é a de adquirir as coronas Try In (coroas de teste cor de rosa) e assim, evitar problemas com a cor da zircônia em dentes decíduos. Sobre o uso de zircônia, têm se reportado só casos clínicos. Elas têm a vantagem de ter uma resistência extraordinária, e de suportar forças mastigatórias e de impacto oclusal sem se fraturar.18,19 Porém, não existem estudos que avaliem o desgaste dos dentes antagonistas à coroa de zircônia para dentes decíduos. O grupo 1 teve uma avaliação inferior àquele das coroas de metal pré-fabricadas (NuSmile Signature®, Grupo 5), ou seja, os entrevistados não encontraram diferenças entre a corona de zircônia EZ-Pedo e a de metal pré-fabricada MES (6.41 vs 6.91). Um aspecto importante de se mencionar, é que os grupos 1, 2 e 5, não tiveram diferenças significativas quanto a ser a melhor escolha para seu uso na consulta particular por terem o mesmo preço.

As coroas metálicas fenestradas (grupo 6) obtiveram una avaliação de 4.6, colocando-as na penúltima opção estética de preferência dos participantes. Contudo, estudos prévios demostraram que é a opção estética mais duradoura e sua facilidade de reparação se apresenta como uma vantagem sobre as outras alternativas estéticas. Mesmo assim, a dificuldade de colocação em duas sessões é questionada, além do inconveniente de se observar metal no contorno da janela.19,20

A última opção foi para as coroas metálicas elaboradas no consultório (grupo 3), que, embora foram as piores avaliadas, o conhecimento sobre seu uso é ainda limitado. O criticado na avaliação desse grupo foi aparência estética em relação com a cor. Todavia, isto é contraditório já que a vantagem que apresentam este tipo de coroas, é a possibilidade de usá-las em diferentes tonalidades para tentar mimetizar a coroa com o dente adjacente. Além disso, com o uso de opacadores atuais, elimina-se a desvantagem de translucidez do metal na borda das restaurações. Quando alguns membros foram questionados sobre o porquê da menor avaliação do grupo 3, e qual a alternativa que eles usariam no consultório, eles responderam: nenhuma, e que continuariam a utilizar as coroas metálicas como primeira opção.

As coroas do grupo 4 foram as preferidas para uso no consultório, sendo a única e primeira opção por parte dos alunos. Isto comprova os resultados reportados por Bradley, onde reportaram que em 84% dos cursos de pós-graduação no se ensina o uso de coroas de zircônia.22

É importante salientar que este estudo é o primeiro realizado em odontopediatras membros da AMOP, já que os estudos reportados para satisfação e preferências estéticas, têm sido conduzidos unicamente em pais e/ou cuidadores de pacientes.21

Conclusões

Os questionários realizados com meios tecnológicos (tabletes de resposta rápida) mostraram uma melhor disposição dos participantes para responder pesquisas.

As coroas de funda de celuloide são a alternativa preferida por parte de odontopediatras participantes membros da AMOP. No entanto, as coroas de zircônia são uma alternativa nova e com boa aceitação. Da mesma maneira, não existem diferenças significativas entre as coronas metálicas com frente estética e as coroas de zircônia. Recomenda-se que os programas de odontopediatria tenham a opção de treinamento no uso de todas as alternativas mencionadas para que o pós-graduando possua um amplo critério na escolha da melhor alternativa estética para seu paciente.

Referências

  1. Gosnell ES, Thikkurissy S. Management of dental caries and esthetic is-sues in the pediatric patient. J Calif Dent Assoc 2013;41(8):619–29.
  2. American Academy of Pediatric Dentistry; American Academy of Pediatrics. Early childhood caries (ECC): Classifications, Consequences, and Preven-tive Strategies. Pediatr Dent 2014;35(6):50—2.
  3. Elqadir AJ, Shapira J, Ziskind K, Ram D. Esthetic restorations of primary an-terior teeth. Refuat Vehashinayim 2013;30(2):54–60
  4. Berg JH. The continuum of restorative materials in pediatric dentistry- a re-view for the clinician. Pediatr Dent 1998;20(2): 93—100.
  5. Lee JK. Restoration of primary anterior teeth: review of the literature. Pediatr Dent. 2002;24(5):506–10
  6. Waggoner WF. Restoring primary anterior teeth. Pediatr Dent 2002;24(5):511–6.
  7. Kopel HM, Beaver HA. Comprehensive restorative procedures for primary anteriors. J Dent Child 1967;34(5):412-23.
  8. Webber DL, Epstein NB, Wong JW, Tsamtsouris A. A method of restoring primary anterior teeth with the aid of a celluloid crown form and composite resins. Pediatr Dent 1979;1(4):244–6.
  9. Croll TP, Helpin ML. Preformed resin-veneered stainless Steel crowns for restoration of primary incisors. Quintessence 1996;27(5):309-13.
  10. Croll TP. Primary incisor restoration using resin-veneered stainless steel crowns. ASDC J Dent Child. 1998;65(2):89–95.
  11. Guelmann M, Gehring DF, Turner C. Retention of veneered stainless steel crowns on replicated typodont primary incisors: an in vitro study. Pediatr Dent 2003;25(3):275–8.
  12. Karaca B, Ozbay G, Kargul B. Primary zirconia Crown restorations for chil-dren with early childhood caries. Acta Stomatol Croata. 2013;47(1):64-71.
  13. Planells del Pozo P, Fuks AB. Zirconia crowns—an esthetic and resistant restorative alternative for ECC affected primary teeth. J Clin Pediatr Dent 2014;38(3): 193—5.
  14. Saha R, Malik P. Paediatric aesthetic dentistry: a review. Eur J Paediatr Dent 2012;13(1):6–12.
  15. Croll TP, Berg J. Simplified primary incisor proximal restoration. Pediatr Dent 2003;25(1):67-70.
  16. Manicone PF, Rossi Iommetti P, Raffaelli L. An overview of zirconia ceram-ics: Basic properties and clinical applications. J Dent 2007;35(11):819–26.
  17. Larsson C. Zirconium dioxide based dental restorations. Studies on clinical performance and fracture behaviour. Swed Dent J Suppl 2011;(213):9–84.
  18. Croll TP, Donly KJ. Contralateral/opposite-arch zirconia crown, restoration of two mandibular primary first molars: A tooth-colored solution to restoring damaged primary teeth. Inside Dent 2015;11(3): 78—81.
  19. Croll TP, Jefferies SR, Writght JT. Primary Incisor and Canine Restoration in a Child with Amelogenesis Imperfecta: Material advances bring new op-tions to the treatment of enamel malformations. Inside Dent 2014;10(12):1-4
  20. Yilmaz Y, Koçoğullari ME. Clinical evaluation of two different methods of stainless steel esthetic crowns. J Dent Child (Chic) 2004;71(3):212–4.
  21. Champagne C, Waggoner W, Ditmyer M, Casamassimo PS, MacLean J. Pa-rental satisfaction with preveneered stainless steel crowns for primary ante-rior teeth. Pediatr Dent 2007;29(6):465–9.
  22. Bradley K, Owens D, Harvey D, Oueis H. Use of Zirconia Crowns by Pedi-atric Dentists. Childrens Hospital of Michigan, American Academy of Pedi-atric Dentistry, Seattle W. Poster 265. 2015.

Recibido: 15/08/2016
Aceptado: 10/11/2016
Correspondência: Héctor A. Ramírez Peña, DDS.
Paseo de los Leones #145-4 (Plaza Cristal) Col. Cumbres Elite, Monterrey NL, E-mail: odontologiapediatrica@gmail.com

Agradecimiento al Dr. Juan Sebastian Lara por su traducción al portugués.